O Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores de Mato Grosso (Sindojus/MT), realizou, nesta segunda-feira (26.03), uma palestra ministrada pelo professor Ed Carlos de Almeida Matos, sobre `Defesa Pessoal`, voltada aos oficiais de Justiça sindicalizados. Com 40 anos de experiência em artes marciais, Ed Carlos é pós-graduado em criminologia e especialista em defesa pessoal urbana e sobrevivência urbana.

A palestra ocorreu na manhã desta segunda-feira (26), no Auditório do Fórum de Cuiabá - e contou com a presença da diretora do Fórum, juíza Edleuza Zorgetti Monteiro da Silva, do presidente da Federação Nacional dos Oficiais de Justiça, João Batista e da diretoria do Sindojus/MT.

Ed Carlos falou sobre os conceitos de defesa pessoal, análise de risco e vulnerabilidade pontos vitais e vulneráveis; a ostentação com veículos, joias, bolsas e celulares que são chamariz para criminosos. Ele também discorreu sobre armas de fogo, faca entre outros. Os oficias de Justiça tiveram a possibilidade de fazer exercícios na prática.

Segundo o presidente do Sindojus/MT, Jaime Osmar Rodrigues, a palestra faz parte da comemoração ao Dia Nacional do Oficial de Justiça que foi comemorado nesse domingo (25.03). Rodrigues destacou que o oficial de Justiça é um servidor público que lida com emoções e riscos em defesa dos direitos dos cidadãos – mas nem sempre é compreendido.

“O oficial de Justiça está sujeito a todo tipo de situação. Os Sindicatos dos oficiais de Justiça e a Federação Nacional dos Oficiais de Justiça (Fesojus) vêm discutindo meios de minimizar os riscos enfrentados pelos profissionais diariamente em todo país. Está em discussão também no Congresso Nacional, o direito ao porte de arma e ao acesso a equipamentos de segurança, como coletes à prova de bala. Isso são discussões, mas não há até o presente momento nada concretizado. Então temos de proteger de alguma forma nossos oficiais de Justiça. Sabemos que é pouco, mas é um começo, uma reflexão de como se comportar em algumas situações delicadas. Pelo menos é uma noção básica na tentativa de se proteger. Vamos continuar lutando pela categoria, e temos convicção que em breve teremos direito ao porte de arma e o colete a prova de bala”, disse Jaime Osmar Rodrigues.












Edina Araújo/Assessoria de Comunicação
Fotos: Edina Araújo/Assessoria de Comunicação