Preso conversando com o juiz Geraldo Fidelis.

Cuiabá e Várzea Grande ameaçam “Salve Geral” nos próximos dias, conforme fontes do VG Notícias a ordem decretada de dentro dos presídios é em decorrência da epidemia de tuberculose dos detentos e o atendimento médico precário. 

A morte do presidiário Cícero Junior Dias, 20 anos, no último dia 26, na Penitenciária Central do Estado (PCE) pela doença, só teria agravado a situação. A prima do reeducando, Elismara Dias, postou em 28 de setembro em seu Facebook, um desabafo em que afirma que houve negligência do juiz da Vara de Execuções Penais em Cuiabá, Geraldo Fidélis.

Conforme ela, o magistrado viu a situação em que o presidiário se encontrava, teve coragem de gravá-lo dentro de uma cela imunda e não teve a capacidade de tirá-lo de lá.

“Ver minha tia nessa situação foi difícil mais pode ter certeza que vc pagará essa dor que ela está sentido vc pagará feio, sei que meu primo não volta mais, ok tudo bem mais a gente vai fazer justiça pq não quero outras mães sofrendo igual eu vi minha tia sofre acho que vc não tem filhos, para fazer o que fez neh mais não esqueça não gospe pra cima pq cai na testa”, (sic).

Ainda segundo a publicação, a mãe de Junior estava com três mandados de urgência para tirá-lo para fazer exames, mas o juiz não “dava a mínima”.

“Mais não esquece vc talvez não tenha um filho ou tenha não sei e talvez amanhã pode ser ele que está do mesmo modo que meu primo estava por culpa de vcs ele não está agr entre nois mais aqui se faz aqui se paga e todos que estão envolvidos vão pagar tbm aqui se planta aqui se colhe hj percebemos que vcs são umas pessoas mal amadas seus bando de Ladrões, meu primo já era pra ter saído faís tempo pq vc sabe muito bem que ele foi preso inocentemente”. (sic).

No vídeo em que a jovem se refere, é possível ver Fidélis conversando com o presidiário, que reclama de dores. Nas imagens, o detento mostra alguns locais no corpo em que recebeu medicação. Em outras imagens gravadas de dentro do presídio, os detentos reclamam da situação precária de uma das celas.

“É a situação do preso na triagem. Isolado igual bicho. Olha o tamanho da ventana. Como que entrar ar, como que trata um tuberculoso desse jeito? Tuberculoso que tem problema no pulmão trancado num lugar que não entra ar, como que fica trancado desse jeito"? questionam.

Outro lado: Em nota encaminhada ao VG Notícias, a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) esclarece que todos os procedimentos médicos e ambulatoriais foram tomados para atendimento do detento Cícero Junior Oliveira Dias, 20 anos, pela equipe de saúde da Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá.

"Em relação às acusações da família de Cícero Júnior, informamos que nenhuma procede, pois o preso recebeu atendimento todas as vezes que necessitou. Abaixo seguem as informações mais detalhadas desde que ele foi diagnosticado com tuberculose. O preso se sentiu mal durante o dia de terça-feira, apresentando náuseas, vômito, febre e alegando fraqueza, e foi encaminhado à Unidade de Pronto Atendimento do bairro Pascoal Ramos. O profissional médico que o atendeu na UPA não entendeu a necessidade de internação, sendo medicado e reencaminhado à unidade prisional. Cícero foi diagnosticado em abril deste ano com tuberculose e desde então vinha recebendo acompanhamento médico, justificou.

Inclusive, segundo nota da Sejudh, o detento foi trocado de ala na penitenciária, a pedido da equipe de saúde para melhor atendimento. Os presos que são diagnosticados com tuberculose ficam em local isolado dos demais”.

Em nota a Secretaria afirma ainda, que: “Todos os protocolos médicos para atendimento a paciente com esse tipo de patologia foram seguidos, inclusive com acompanhamento de pneumologista, como é realizado com os demais presos. São realizados os exames necessários, assim como a notificação obrigatória no Sistema Nacional de Agravos, do Ministério da Saúde”.

Ainda segundo a nota, o preso contou que estava tomando de forma irregular o medicamento prescrito para tuberculose e que reduziu o mesmo por conta própria.

“Todos os encaminhamentos e atendimentos a Cícero Junior estão documentados e foram informados às autoridades competentes. Nesta semana, antes do preso vir a óbito, o mesmo conversou com o juiz corregedor da penitenciária, magistrado Geraldo Fidélis, que constatou o atendimento médico, que posteriormente foi relatado a familiares do detento”, confirmam.

Questionada sobre o "Salve Geral", a Secretaria afirmou que a informação não procede.

Fonte: VG Notícias
Foto: Arquivo Pessoal Tia Preso