O diretor financeiro do Sindojus/MT, Jaime Osmar Rodrigues, acompanhado do presidente da Fenojus, João Batista Fernandes e com membros do Sindicado, se reuniram nessa quarta-feira (30.08), com o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos, para apresentar reivindicações dos oficiais de Justiça. Entre as demandas apresentadas ao presidente estão a necessidade de oficias de Justiça nas Comarcas de Pontes e Lacerda, Mirassol D'Oeste, Peixoto de Azevedo e Primavera do Leste, consideradas pelo diretor do Sindojus como " estado de calamidade".
Segundo Jaime, em algumas comarcas onde que deveriam ter 10 oficiais de Justiça tem dois, e se não for "acudida"  com urgência, daqui uns dias não terá mais nenhum profissional em condições de trabalhar.

Outra demanda apresentada diz respeito ao reajuste da Verba Indenizatória para cumprimento de mandado de justiça gratuita. Falaram sobre a dificuldade com a PJE, a lentidão e a falta de impressora na sala dos oficiais de Justiça.

O oficial de Justiça Wendel Lacerda falou sobre a implantação da tabela de nível superior -, e destacou que não haverá grande impacto na folha de pagamento, segundo estudos apresentados, poderá ser diluído ao longo de cinco anos.

Rui Ramos disse que tem conhecimento da dificuldade com que os servidores estão enfrentando em todo Estado com o PJE, mas que já conversaram com a empresa de telefonia para melhorar a velocidade da internet e a equipe da TI está trabalhando para resolver o problema.

Quanto a questão financeira, o desembargador Rui Ramos ponderou que vai verificar o orçamento, informou que o Poder Judiciário tem um passivo reprimido de R$ 160 milhões e ainda tem o problema do Teto dos Gastos que em 2018 pode perder cerca de R$ 200 milhões.

"Vamos nos reunir na próxima segunda-feira com o Comitê Gestor para avaliarmos a questão do caixa e a possibilidade de reajustar a verba. Se houver possibilidade, podem ter certeza que vamos fazer. Temos que ver apenas a questão financeira", disse o presidente.

O presidente do Fenojus, João Fernandes parabenizou a postura de Rui Ramos à frente do Poder Judiciário de Mato Grosso, criticou o projeto do "teto dos gastos" -, e afirmou que a posição que Rui Ramos adota é referência nacional para outros presidentes.

Segundo ele, a PEC do Teto dos Gastos é para suprir " roubo de quatro Estados, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais".  Batista disse que querem colocar o servidor público como "bode expiatório" ao invés de melhorarem a vida do povo brasileiro elevando os salários, querem jogar o Poder Judiciário na lama, como sendo supersalário.





Assessoria Sindojus/MT
Foto: Assessoria Sindojus/MT