Um minuto para fazer uma certidão. Esta é a média de tempo que oficiais de Justiça poderão levar para realizar a atividade diária, com a instalação do Processo Judicial Eletrônico (PJe). Para desempenhar esta tarefa e conhecer outros itens disponíveis na nova plataforma, eles passaram por capacitação na quinta e sexta-feira (19 e 20 de maio), na Escola dos Servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso.
 
A plataforma tecnológica será implantada nas unidades judiciárias de Chapada dos Guimarães, Campo Verde, Rosário Oeste e Nobres no dia 31 de maio. O sistema, desenvolvido pelo Conselho Nacional de Justiça, visa oferecer mais segurança e celeridade ao trâmite processual no Primeiro e Segundo Grau de jurisdição.
 
Há quase trinta anos como oficial de Justiça, Luzia de Almeida, que atualmente presta serviço na Comarca de Campo Verde, considera boa toda inovação que venha a contribuir com a rotina de trabalho. “Embora ainda seja algo novo para nós, vejo a nova ferramenta como algo benéfico, um avanço tecnológico que irá nos ajudar e todo avanço na prestação jurisdicional tem que ser bem recebido”.
 
Segundo ela, que começou sua carreira do Judiciário em 1986, muitas coisas mudaram desde então. E a estrutura oferecida melhorou consideravelmente neste período. Tanto que hoje é ofertado um sistema que agilizará as atividades jurisdicionais como um todo.
 
O oficial de Justiça de Chapada dos Guimarães João Paulo Lacerda avalia como positivo o PJe, já que a virtualização das ações irá, em suma, centralizar as atividades numa única plataforma. “Essa inversão do papel para o meio eletrônico irá simplificar as atividades diárias, na medida em que o trâmite não será de conhecimento apenas na comarca. Com o sistema, o processo pode ser acompanhado em qualquer parte do Brasil, acessado a qualquer momento. É uma melhoria que reflete a qualidade do serviço jurisdicional que prestamos”.
 
Basta seguir o passo-a-passo para conseguir manusear o PJe. Esta é a recomendação da gestora da Central de Mandados de Campo Verde, Maria de Fátima Sousa Alves Xavier, que também frequentou o treinamento. Apesar de alertar que, a princípio, a mudança de sistema causa receio, ela não sentiu dificuldades em efetuar as atividades cotidianas por meio da ferramenta. “Dá um certo medo, afinal toda mudança nos tira do conforto de conhecer algo, porém, o PJe traz informações novas que, na prática, vão nos ajudar no expediente e ainda oferecer mais qualidade ao serviço prestado”, justifica.
 
A instrutora do curso, Milena Rodrigues, aponta que cada turma tem o conteúdo específico a ser ministrado. “No caso dos oficiais de Justiça os testes práticos que realizamos são voltados para o registro de diligências, elaboração de certidões, entre outras tarefas oriundas dos Juizados”.
 
Além dos treinamentos, as dúvidas podem ser sanadas com a equipe da Coordenadoria de Tecnologia da Informação do TJMT, por meio do telefone: (65) 3617-3900. E também através do material de apoio disponibilizado na página do PJe, onde encontram-se manuais, perguntas mais frequentes sobre a ferramenta e videoaulas.

Fonte: TJ/MT
Fotos:TJ/MT