Oito meses das eleições para a nova Mesa Diretora do Tribunal de Justiça (TJ-MT), já foi dada a largada para o pleito interno. As movimentações apontam para três possíveis candidatos à presidência: os desembargadores Rui Ramos, Juvenal Pereira da Silva, e Sebastião de Moraes Filho, ex-corregedor geral na administração passada.

Desde que o processo eleitoral interno passou por nova formatação, ocorre de forma sistemática à corrida pelo comando do TJ. Em 2014, passou a valer a normativa de que todos os desembargadores podem concorrer ao cargo. 

O atual presidente, Paulo da Cunha, foi o primeiro a ser eleito após a mudança. Pelos critérios anteriores, era aplicada a ordem da antiguidade para acesso ao exercício da presidência,
em lista tríplice.

Esse entendimento sempre foi alvo de debates no país, com interpretações de que essa “tradição” feria o princípio da efetiva democracia no processo das eleições nos Tribunais. Se este quesito ainda estivesse em vigor, Juvenal Pereira da Silva seria o quarto mais antigo, e Sebastião de Moraes Filho, o quinto mais antigo. 

Ambos contariam com preferência, já que os três antes deles, os desembargadores Orlando Perri, Rubens de Oliveira e Paulo da Cunha, já ocuparam ou ocupam a presidência.

Nas movimentações internas, o nome da desembargadora Maria Aparecida Ribeiro, surge como possibilidade para assumir a Corregedoria-Geral do TJ, função hoje ocupada pela desembargadora Maria Erotides Kneip.

Fonte: Gazeta Digital
Foto: Gazeta Digital