Oficiais de Justiça passaram por treinamento sobre o Processo Judicial Eletrônico (PJe) nesta segunda-feira (27.04). Eles receberam orientações acerca da distribuição dos processos, além de tirar dúvidas a respeito do funcionamento do programa. No decorrer desta semana, os servidores e magistrados do Judiciário também receberão treinamento.

O PJe foi criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e é utilizado para gerenciamento de toda a tramitação dos processos, desde a proposição da ação até a sentença e arquivamento.
De acordo com o professor Rosivaldo Rodrigues, a capacitação é relevante para facilitar o uso do PJe. “Facilitará para a Coordenadoria de Tecnologia da Informação e para os próprios oficiais, porque com a capacitação eles conseguirão tirar todas as dúvidas, diminuindo a solicitação de suporte”, explicou.

Com o treinamento os oficiais de Justiça puderam ter mais contato com o sistema, tendo mais familiaridade no seu manuseio. “Essa capacitação é completa, pois o papel que eles irão desempenhar é muito importante”, frisou Rosivaldo.



A oficial de Justiça Luciana Dias Mancio irá acompanhar a instalação do PJe até a sua implantação integral. “Isso é importante, pois teremos condições de acessar o sistema com autonomia no cumprimento dos mandatos que forem distribuídos”, ressaltou Luciana.



No último sábado (25 de abril) foi implantada uma nova versão do PJe, que traz mais autonomia aos usuários. Algumas atualizações merecem destaque, dentre elas, a reestruturação das procuradorias, o acesso por login e senha, a execução de tarefas em lote e a permissão de múltiplos papéis.

Outra mudança que deve ser destacada é o acesso do programa por meio de aparelhos móveis como tablets e celulares. Antes desta atualização isso não era permitido por conta da necessidade do uso do token.

O PJe é um programa utilizado para processos no formato virtual que possibilitará mais celeridade no andamento das ações, isto porque etapas como carimbos e juntadas de petições deixam de existir com a implantação do sistema. Nos primeiros anos de implantação, os processos virtuais irão tramitar em paralelo com os físicos. No futuro irão tramitar somente na versão digital.

O programa também proporciona grande economia de recursos, especialmente de papel, por conta das petições e decisões de magistrados que deixarão de ser impressas. Outra vantagem que merece destaque é a facilidade para consultar todas as peças do processo no sistema, que pode ser feito de qualquer local pela internet.

Em Mato Grosso, o Processo Judicial Eletrônico tem aproximadamente 10 mil processos tramitando e já está implantado em 23 unidades judiciárias. Em 6 de maio o programa será instalado na Vara Especializada de Execução Fiscal de Cuiabá.


Fonte: TJ/MT
Fotos: TJ/MT