O presidente do TJMT, desembargador Orlando de Almeida Perri, destaca a importância da participação da população na audiência pública que será realizada pelo Poder Judiciário na próxima semana. Para ele, esta é uma oportunidade que a população tem de ajudar a construir um Judiciário diferente a partir da apresentação de sugestões e críticas. A audiência pública do polo de Cuiabá será realizada nesta sexta-feira (11 de julho), às 14h, no auditório do Fórum da Capital.

“É necessária a participação de todos, não só da população, mas também das entidades organizadas, juristas e autoridades das comarcas de Cuiabá, Chapada dos Guimarães, Poconé, Santo Antônio do Leverger e Várzea Grande. Esta é uma oportunidade que não pode ser perdida, pois é o momento de contribuir com as mudanças. Nós já percorremos o Estado todo e Cuiabá é o último polo”, explica o desembargador.

A audiência será presidida pelo próprio desembargador Perri e será mediada pelo juiz Luiz Octávio Sabóia, auxiliar da presidência do TJMT. O espaço é democrático e dá à população a oportunidade de expressar suas sugestões. Para participar, basta chegar antes do início da reunião e se cadastrar para ter direito à fala. Cada participante pode se manifestar por até 5 minutos.

Todas as informações e sugestões das audiências públicas serão organizadas e mais tarde transformadas em um livro (planejamento estratégico) que servirá de referência para as ações desenvolvidas pelos próximos seis anos, 2015/2020. São essas ações que guiam os gastos e investimentos feitos pelo Poder Judiciário.

Perri explica ainda que a realização das audiências públicas como uma forma de se aproximar da população é uma decisão do TJMT, tanto que muitos tribunais ainda fazem o planejamento de ações sem a participação popular.

Estratégia – Planejamento estratégico é a compilação de planos e ações para o futuro da Instituição. No TJMT, o planejamento será elaborado em três fases, sendo elas Diagnóstico, Prescritiva e Aprovação pelo Tribunal Pleno. Atualmente, o trabalho está na primeira fase, na qual são ouvidas autoridades, entidades de classe e população. As terceira e última fase, aprovação do planejamento pelo Tribunal Pleno, deve ocorrer em outubro deste ano.

Fonte: TJ/MT
Foto: TJ/MT