O Tribunal Pleno aprovou na sessão de segunda-feira (14.04) nova recomposição inflacionária no auxílio-alimentação dos servidores do Poder Judiciário em 5,91%, correspondente ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), com base nos meses de janeiro a dezembro. O auxílio, que hoje é de R$ 450, vai para R$ 476,55. 

Este é o terceiro reajuste concedido pela atual gestão em menos de um ano e os três significam uma majoração de 50,79% no valor do benefício. O valor vigente até abril de 2013 era de R$ 315,60. O primeiro aumento do benefício foi em maio e o auxílio foi elevado para R$ 415,60. O segundo aumento foi em agosto e o benefício foi para R$ 450.

De acordo com o diretor do Sindicato dos Oficiais de Justiça e Avaliadores de Mato Grosso (Sindojus/MT), a notícia é recebida com satisfação – por ser uma reivindicação do Sindicato junto ao presidente do Tribunal de Justiça. “Vamos satisfeitos por ser uma reivindicação de nossa categoria a todos os servidores. É uma demonstração de respeito a todos os servidores do Poder Judiciário”

Conforme a coordenadora de Recursos Humanos, Renata Guimarães Bueno Pereira, agora a decisão do Tribunal Pleno será encaminhada para a Assembleia Legislativa para aprovação de projeto de lei e sanção do governador Silval Barbosa. “Assim que publicada a lei o RH começa a pagar”.

O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Orlando Perri, o desejo era aumentar mais para proporcionar ganho real, acontece que o valor foi calculado conforme a capacidade e disponibilidade financeira. “Tem parecer da Coplan que podemos suportar este reajuste”, enfatizou Perri durante o julgamento da matéria.

Além desta, a gestão também adotou inúmeras outras medidas de valorização dos servidores. Entre elas, criou o auxílio-creche que contempla todas as comarcas. A partir de janeiro, todos os servidores com filhos até seis anos de idade cadastrados no programa começaram a receber a ajuda de custo.

Houve ainda a progressão horizontal (por curso concluído) na carreira e a progressão vertical (por desempenho). Os oficiais de justiça também passaram a receber abono de R$ 500 para subsidiar despesas dos cumprimentos dos mandados. O presidente também investiu na capacitação de servidores com a oferta de cursos no formato educação à distância (EAD).

Redação Sindojus com TJ/MT
Foto: Reprodução